PEC 10/2020 – Câmara rejeita proposta de redução de salários dos servidores públicos

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, na última sexta-feira (03), a PEC 10/2020 com previsão do “Orçamento de Guerra” para o período de calamidade pública em decorrência da pandemia do novo coronavírus (Covid-19).  

Foram rejeitados os destaques que propunham a redução de 26% a 50% nos salários dos servidores públicos, além de redução proporcional da jornada de trabalho. As emendas, de nº 4 e 5, foram propostas por deputados do Partido Novo e foram alvo de Reclamação feita em Plenário pela deputada Perpétua Almeida (PCdoB/AC).  

A matéria foi considerada estranha à PEC e rejeitada pelo relator, deputado Hugo Motta (Republicanos-PB). Após a leitura do voto e substitutivo com rejeição às emendas, de autoria do relator, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) acolheu a Reclamação feita pela deputada Perpétua Almeida, considerando-as inadmitidas. 

A proposta previa a aplicação tanto para ocupantes de cargos, funções e empregos públicos da administração direta, autárquica e fundacional, no âmbito dos Três Poderes da União, Estados, Distrito Federal e Municípios, assim como para ocupantes de mandato eletivo e demais agentes públicos. 

As emendas apresentadas pelo Partido Novo suspendiam a garantia de irredutibilidade dos vencimentos dos servidores públicos, previsto no art. 37, XV, da Constituição Federal. Ao mesmo tempo, representavam agravante para a situação de servidores estaduais, que estão sujeitos a aumento da contribuição previdenciária. 

Votação – A PEC do “Orçamento de Guerra” foi aprovada em primeiro turno com 505 votos a favor e 2 contra, e em segundo turno com 423 votos favoráveis e um contrário. A proposta é criar um regime extraordinário que adeque a aplicação do orçamento público às medidas de emergência para combate do novo coronavírus. A PEC segue para apreciação do Senado. 

As regras terão vigência durante todo o período de calamidade pública, com convalidação dos atos de gestão praticados desde o dia 20 de março de 2020. 

As ações de combate à pandemia que apresentem impacto orçamentário serão aprovadas por um comitê de gestão de crise. O comitê terá poder de decidir sobre contratação de pessoal, obras, serviços e compras relacionados ao enfrentamento a situação de calamidade pública. Assim, a contratação temporária de pessoal, por exemplo, não exigirá prévia dotação orçamentária e autorização na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). 

O Congresso Nacional ficará encarregado de suspender decisões do comitê quando considerar que haja irregularidade ou exceda os limites definidos pela PEC 10/2020. 

Com informações de: Agência Câmara de Notícias 

Verifique também

Edital de convocação – Assembleia Geral 24/02

A Diretora-presidenta do Sindicato dos Servidores do Ministério Público do Estado do Maranhão – SINDSEMP/MA …

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.